16 de fev de 2010

Henry Evaristo foi embora...

Henry Evaristo foi embora. Estamos de luto, pois nosso amigo já não se encontra entre nós. Hoje, 16 de fevereiro de 2010 foi o triste dia da sua partida.
 
Deixou esse mundo de tristezas e alegrias, partiu para universos desconhecidos. Henry Evaristo foi embora e choro de saudade do contador de histórias, do escritor talentoso de raciocínio agudo, de olhar poético e rara sensibilidade musical. Choro por saudade de um amigo fascinante. 


Neste universo virtual, cada vez mais os laços são reais, amizades verdadeiras são construídas e aqui, Henry  tornou-se conhecido por muitos admiradores do seu trabalho; aqui, afirmou, negou, comprovou, discordou e disse o que pensava sobre tantas coisas, nem sempre sendo entendido, mas ao mesmo tempo, conquistando a amizade e o respeito de muitas pessoas. Sei que não choro sozinha. Sua falta será sentida em vários cantos do Brasil e do mundo. 

Henry Evaristo foi embora. Nós ficamos. Órfãos de seu riso, de sua alegria e de sua tristeza, órfãos de nosso mestre das letras. 


Mas a marca de sua passagem por nossas vidas ficará como tatuagem nas lembranças de uma risada, nas palavras pinceladas em tons de melancolia, na ironia, na ternura de um comentário qualquer. Sua presença ficará marcada nos poemas surpreendentes, nos contos de terror e solidão que legou a este mundo obscuro, nos pensamentos afiados e na memória da presença querida que nos alentava. Com a memória nestes momentos escrevo e permito que a emoção carregue as cores da saudade. 

Henry voltou para seu mundo, seu velho e onírico mundo de aromas de primavera e cores fantásticas. E lá, nos reencontraremos para sentir na brisa confortante das mais belas colinas, o carinho desta amizade que se faz eterna.

Henry Evaristo foi embora, talvez para nós, cedo demais. Mas deve ir em paz, sua lembrança sempre estará conosco. As lágrimas secarão, mas o carinho nunca.


Até mais meu amigo. Até qualquer hora.

7 comentários:

  1. Que belas palavras, Tânia, sentiremos a falta de nosso amigo e irmão...

    Uma pessoa querida, que nos encantou. Nosso amigo partiu para encontrar o mundo que ele tanto sonhava, nos deixou aqui para cumprir o que precisamos neste mundo, qualquer que seja nosso futuro, um dia encontraremos o Henry bem e feliz, e seremos felizes tb.

    Ele sabe o quanto todos nós gostamos dele, sempre soube, ele está bem, no mundo que ele faz parte, realmente.

    bj.

    ResponderExcluir
  2. Taninha, Cel...sei como vcs eram intimos, como irmãos de sangue.

    Trabalharam com ele, compartilharam de sua presença e talento, no site que conheci as duas.

    Apesar de ter tido muito menos contato com ele, do que vcs amigas, estou igualmente triste.

    MAs, nós não deixaremos que sua arte e seu talento se perca.

    Nós que lutamos pela Literatura Fantástica, jamais deixaremos que seu nome seja esquecido!


    Henry, a gente se esbarra por aí...vai na paz, Brother!

    ResponderExcluir
  3. Tânia, lindas as suas palavras em homenagem a esse grandioso poeta!
    Sei que não era tão próxima a ele qto vc, mas tive a honra e felicidade de poder ter conhecido um pouco dele através de suas obras e fiquei muito triste qdo li esse post.
    Ele fará falta, pois não está no meio de nós, mas sua arte será eternizada com certeza, pois o talento não morre, e Henry com certeza deve estar demonstrando agora todo o seu talento em um outro lugar, em outro mundo!

    Que descanse em paz grande escritor, talentoso que vc sempre foi e sempre será!

    ResponderExcluir
  4. Ele sempre estará conosco...

    ResponderExcluir
  5. Foi uma perda de peso para o fomento cada vez mais de qualidade para a Literatura Fantástica. Imaginemos que, nesta luta sempre forte para divulgar o gênero Terror, um pequenino exército estava se reunindo, aos poucos, para juntar forças num embate mais sólido, quando, de súbito, o destino leva um dos seus mais fortes generais, uma figura representativa, que será difícil de substituir... Assim é que vejo o nobre homem Henry Evaristo!

    ResponderExcluir
  6. AO VIAJANTE SOLITÁRIO DE DHARAN-TYR


    Poema de Rogério Silvério de Farias


    Dedicado ao escritor e amigo Henry Evaristo (in memoriam)

    Por labirintos sombrios
    teu sonhar calou
    os deuses mortos de Dharan-Tyr,
    e pelos portais do mistério
    atravessaste com a solene
    missão dos visionários
    traçando signos cabalísticos
    na senda da tua criação.

    A Grande Mãe acolhe-te agora
    em teu regaço luminoso,
    na aurora estelar que é o amplexo da divindade,
    enquanto Pã, álacre,
    sopra a flauta numa
    melodia dionisíaca
    nunca antes ouvida
    nos festins dos deuses,
    aqui ou na tua feérica Swyrnea.

    Reluz teu espírito viajor
    por entre jardins etéreos
    de lótus dourados,
    na quintessência magnética
    de tua mágica força de criar,
    em plena vontade de poder,
    na marcha do teu Eterno Retorno.

    E se atravessaste a vida e o seu inferno,
    agora te deitas no catre dos sonhos infinitos,
    e por eternidades e eons voarás
    em espírito por páramos
    onde espalhas como rosas
    os teus mundos que
    repousam em
    fantasmal memória ígnea.

    Antes de partires para a tua longa jornada,
    apagaste a flama negra da noite esotérica da vida material,
    para iluminares com tua solar verve espiritual
    os incógnitos reinos dos ultramundos
    os quais jazem em fulgor além do tempo e do espaço,
    velados pelos anjos da aurora dos sonhos imortais!

    Destarte, perpetuaste em áureo delírio
    a tua insigne passagem por este Vale de Lágrimas
    na augusta epopéia de teu místico destino.

    ResponderExcluir
  7. Betha M. Costa07:55

    Tânia,
    Recebi hoje essa triste notícia através do Rogério.Estou estupefata e muito triste, como todos que partilharam do contato real e/ou virtual com o Henry.Fica o seu talento de escritor, bom camarada e humor acutilante.
    Meu abraço fraterno solidário a família do Henry,a ti e aos demais amigos das sombras.
    Betha.

    ResponderExcluir