12 de set de 2010

enquanto chove



enquanto chove

eu gosto das chuvas entardecidas
quando caem de repente as águas do mundo
e me vejo surpreendida e derretida
menina mulher femínea

a chuva então me chove
e vou andando pelas calçadas
vendo a noite chegar
vendo o breu me aconchegar

faróis iluminam asfalto em dourado
desimportam minhas roupas coladas
não há lascívia nem pudores
sob asas invisíveis de anjos molhados

vejo passos insanos por ruas desnudas
cada qual perdido em si
paixões repentinas retidas refletidas
nas poças d´gua quebradiças almas
tristeza maior não vi

e no asfalto molhado
algum resquício em dourado
sob a luz de um poste reflete
sonhos que ainda persistem
nem sabem que inexistem
em mundo esquecido de sorrir

trilce lantejoula em falsa jóia
tolo ouro de uma moça sonhadora
tecendo quimeras
sob a chuva o dourado das luzes
talvez flores sejam
d’alguma primavera
enquanto a noite escorre pelos becos

e quando do abismo escuro a água desce
a chuva me chove e chovo e choro
a tristeza que minha alma tece
deságua e quer voar
e vou por ai, aprendendo a chover
por um alvorecer que nem sempre vem...


4 comentários:

  1. Um dia vem....
    Também gosto de chuvas assim como seu poema que me serve de abrigo.
    Belo trabalho.
    Beijão !

    ResponderExcluir
  2. teu poema deixou um cheiro muito bom de terra molhada em uma tarde azul escura.

    coisa linda de ler.

    http://terza-rima.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Uma chuva de talento e poesia nata... Tâniazinha é poetisa do cheiro de chuva na poeira acumulada. Do cheirinho do café fresco e do mato molhado.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Oi querida =)
    Então, eu vi no seu twitter que vc é de cg, mora por campo grande ainda?!
    Hehhe, eu moro ...


    Ps.: Fiquei curiosa sobre o que o Marcelo fez para Geo... huehehuhu

    Beijoooos
    (via twitter: @tykkaa)

    ResponderExcluir