4 de ago de 2012

desencravei do céu a última estrela
houve lágrimas e sangue
quando corpo estranho ela caiu

agora sim

despida de sonhos
apenas a imensidão escura
dos não-horizontes

Nenhum comentário:

Postar um comentário