31 de out de 2010

Bruxas - Um conto de Flávio de Souza

"Bruxas" Um conto de Flávio de Souza!
Revisitando o tema da bruxa como clichê literário, o autor apresenta-nos este conto inusitado, entretanto, sem fugir dos desatinos e malefícios que um bom conto  fantástico deve conter. Clichês podem ser inspiradores!!!!! Tenham todos uma leitura sombria.

Bruxas
Flávio de Souza

          Os braços da mulher estavam em carne viva. O sangue dos novos ferimentos se misturava às manchas pegajosas daquele que já estava ressequido. Eles não tinham pena, a misericórdia não habitava seus corações. Sob chutes, xingamentos e pedradas, ela era arrastada para o centro da praça. Os grilhões que prendiam seus braços e pernas, não lhe davam oportunidades para fuga. As correntes pelas quais era puxada, produziam uma sinfonia macabra no contato com o chão.

Não se trata de nenhum vilarejo europeu, que nos remeta à época da Inquisição, longe disso, o local nos é bem mais próximo, mas ao que parece, a tradição, esta sim, é bastante semelhante aos antigos hábitos, o diferente é maldito e, portanto, merecedor de punição.


A mulher fora amarrada a um tronco, e este estava cercado por toras, gravetos e palha. A multidão clamava por justiça, queria sangue, desejava que o fogo sagrado consumisse até os ossos daquele ser hediondo, daquela fugitiva do inferno.

- Morte à bruxa! Morte à bruxa – gritavam enlouquecidos.

O delegado da cidade, um dos mais inflamados, segurava um isqueiro e derramava o conteúdo líquido de um vasilhame nos pés da mulher amarrada. Esta não implorava por perdão, não se debatia, não se manifestava, seus olhos não produziam uma só lágrima.

- Queime! Queime! Queime! – Era a voz da turba.
- Parem! – Todos, incluindo o delegado, se viraram na direção do homem que bradava.

Era o prefeito da cidadezinha, acompanhado dele, estavam muitos soldados da força militar do povoado vizinho.

- A menos que vocês queiram iniciar uma guerra, onde muitos morrerão, soltem esta mulher. Agora!
- Senhor prefeito – dizia o delegado, enquanto apontava para a acusada – está mulher é uma vil criatura, capaz das coisas mais absurdas e maldosas, coisas que nem me atrevo a reproduzir aqui em palavras, ela não merece viver sob o mesmo céu que nós, tementes de Deus, vivemos.
- Deixe de falar asneiras homem! Desde quando podemos julgar alguém por viver de forma diferente de nós? Cultivar algumas ervas e raízes é algo anormal? Seguir sua própria crença é crime? Tem gente que prefere a lua ao sol, que gosta da noite ao invés do dia. É questão de opção, meu caro delegado, opção. E agora, liberte a moça. Já!

Sem ter muita opção perante os inúmeros rifles que apontavam em sua direção, o delegado fez a vontade do prefeito. A mulher, uma vez liberta, caiu aos pés do homem que clamara pela sua liberdade. Finalmente deixara correr solto o pranto contido desde o dia anterior.

- Muito obrigada, senhor. Muito obrigada por seu gesto, eu prometo jamais esquecer o que o senhor fez por mim.
- Nada disso é necessário, se levante e vá para casa.                                   
- Meu código de honra diz que devo pagar pelo ato em meu favor.
                                                      --             

No dia seguinte, o prefeito corria e gritava enlouquecido pelas ruas da pequena cidade, carregava um pedaço de papel em uma das mãos. O choque ao ver o corpo do delegado, com a pele retorcida como um espiral, e atravessado por ferros afiados, não fora tão grande quanto o que teve ao ler aquelas palavras escritas com sangue.

“ Senhor prefeito, deixo-te em praça pública o adversário político que não voltará a te incomodar mais. Comigo levo o teu menino, para que ele cresça em sabedoria e se torne um valoroso servidor. Maior préstimo a ti, não posso conceder. Sarah”.
 
Flávio de Souza


4 comentários:

  1. O Flavio tem cada conto maravilhoso!
    Excelente indicação...=)

    Bjks...

    ResponderExcluir
  2. Clau, também gosto muito dos contos do Flávio. Gracias pela visita.

    ResponderExcluir
  3. Oi Clau! Obrigado pelo comentário...

    Tânia, muito obrigado pela oportunidade, bjs...
    Flávio

    ResponderExcluir
  4. Flávio eu que agradeço por dividir tudo isso com a gente..né Tânia?=)

    Tânia, nem tem o q agradecer, e tem como não vir aqui pra conferir as indicações de leitura? Impossivel...q nem eu falei pra Celly...isso aqui tá mara...
    Tá virando point obrigatório já...^^

    ResponderExcluir