8 de nov de 2010

A rainha do inexorável - Por Tânia Souza


            Talvez seja ela, a morte, a responsável por um dos principais medos e mistérios que a humanidade enfrenta. Na história do ser humano, a morte é a aproximação do inexorável, oprimindo os sentidos e sentimentos. Pode ser temida, ignorada ou desejada. Liberdade ou prisão... O fim de um desperdício ou a concretização de um caminho bem feito. Inesperada, provocada ou procurada. Bela, triste ou violenta. Ser solitária ou compartilhada. Trazer alívio, saudade ou paz

            E ainda assim, continua sendo um grande mistério para os seres humanos.  A morte e seus mistérios nos inquietam. E dessa inquietação, tudo se transforma em um instigante gênero, a literatura de terror, de suspense, fantástica, assustadora ou surpreendente. Em outros momentos, é a dor que a tece, a perda, a saudade, a melancolia e a solidão. Então não se trata de medo, mas sim de palavras traduzindo melancolia, beleza, ternura...

            Nos textos literários mais diversos, a morte é rainha: muitos a desejaram, dissecaram; outros zombaram, ignoraram, temeram, idealizaram... Alguns, envoltos em misticismo ou ciência, tentaram vencê-la.

            Morre-se, é fato: rápida ou lentamente, biológica ou metaforicamente. Pois para morrer, basta apenas... viver! Morre-se, e morrer é como uma tênue fita cortada ao meio, que solta ao vento, separa mundos e sonhos, traz emoções intensas que não são fáceis de entender, de sentir, aceitar ou ainda, querer prosseguir. A literatura, como arte da palavra, conhece os sussurros das épocas, dos homens, da vida e da morte. Morre-se, mas em cada verso, em cada linha, a eternidade se faz. Pois a literatura é vida. 

Agradeço aos amigos que enviaram os textos. Tenham todos uma boa e longa vida!

2 comentários:

  1. Bravo, tânia. Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  2. Gracias Celly Monteiro, dela não se pode mesmo escapar não é? Obrigada ^^

    ResponderExcluir