2 de nov de 2009

Descaminhos surreais - Tânia Souza

Descaminhos surreais

Fez-se passarela de estrelas
Em-briagantes sonatas
Mulher feminae chorava

Pedregulhos eram perólas na carne
Dos pés em pró-cura, vestia-se ainda de não.

Entre-nuvens, louros cachos do tempo
Desenhos esvoaçavam esperança

Flutuou enfim alma dispersa
Em cratera atemporal

          Da vida sorveu beijos tantos
          Relembrou sorrisos, encantos
          E assim foi.

Despedaçou-se depois na realidade...


Tânia Souza

2 comentários:

  1. Bello poema como siempre.
    Me ha encantado, sobre todo, el final, con frases magistrales, de una belleza sobrecogedora y unas imágenes casi táctiles y sin embargo evanescentes.
    Un beso, Tania.

    ResponderExcluir
  2. Oi Tânia...
    eu estive ausente esses dias, por isso só vim te responder agora viu...
    tu gostou do template? se quiser pegar, fica a vontade viu? eu tb gosto de template com 3 colunas...tem mais espaço pros widgets né?

    Bjks...

    .::Clau::.

    ResponderExcluir